Falando de músicas

Se não desse errado não seria eu

 

Que a Clarice é ótima, que as músicas são geniais nós sabemos, isso já é assunto batido, mas eu queria parar para dividir tudo que se passa na minha cabeça ouvindo essa.
Como pode uma música tão curta me provocar um flashback, contendo tantas coisas boas e ruins e ainda me deixar com vontade de rever mais de mim mesma?
São coisas óbvias que mais nos surpreendem, nos filmes, nas séries, na vida, etc. Clichês, e por vezes não esperamos por eles. Nós sabemos que, enquanto cortamos algo, há o risco de nos ferirmos também e mesmo quando isso ocorre ficamos surpresos com o fato.
Então nos damos conta que cada uma das coisas ruins, cada queda, cada relacionamento mal sucedido, cada falta de grana, cada chuva, cada vez que a pipoca queimou e que perdemos a chave de casa na rua, nos ensinou uma coisa nova, por menor que seja. Essas pequenas ocorrências, ainda que insignificantes para o resto do mundo, nos tornam quem somos, felizes ou infelizes, cada parte do seu ser foi montada em cima dessa pilha de momentos. E esse é você, não é maravilhoso? (Tenho certeza que alguém ai pensou “Grande merda”)
Mas Carla, você precisou de uma música pra notar isso?
Não, como eu disse lá em cima: “São coisas óbvias que mais nos surpreendem” e me sinto feliz, por ainda conseguir me surpreender e apreciar essas coisas da minha vida, porque ainda que eu seja pessimista e passe boa parte do tempo achando tudo ruim, vejo a beleza das coisas, talvez até com maior apreciação. Por saber o que é ruim, dou mais destaque ainda ao que é bom.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=HUUwNd_cvrg]
Capitão Gancho – Composição: Clarice Falcão
Se não fossem as minhas malas cheias de memórias
Ou aquela história que faz mais de um ano
Não fossem os danos
Não seria eu
Se não fossem as minhas tias com todos os mimos
Ou se eu menino fosse mais amado
Se não desse errado
Não seria eu
Se o fato é que eu sou muito do seu desagrado
Não quero ser chato
Mas vou ser honesto
Eu não sei o que você tem contra mim
Você pode tentar por horas me deixar culpado
Mas vai dar errado
Já que foi o resto da vida inteira que me fez assim
Se não fossem os ais
E não fosse a dor
E essa mania de lembrar de tudo feito um gravador
Se não fosse Deus
Bancando o escritor
Se não fosse o mickey e as terças feiras e os ursos pandas e o andar de cima da
Primeira casa em que eu morei e dava pra chegar no morro só pela varanda se
Não fosse a fome e essas crianças e esse cachorro e o Sancho Pança se não fosse o
Koni e o Capitão Gancho
Não seria eu

Sobre o autor

Carla, 29 anos, publicitária, fotografa, social mídia, artesã. Louca da natureza, velharias e bichos. Mais na aba aba sobre e por todo o blog.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *